Contra caxumba, 64 membros da Seleção são vacinados

Elenco da Seleção Brasileira de Futebol cumprimenta a seleção do Peru, antes da partida válida pela 3ª rodada do Grupo A da Copa América 2019, realizada na Arena Corinthians, em Itaquera
Foto: LUIS MOURA/WPP / Estadão Conteúdo

 

Uma equipe de dez servidores da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Porto Alegre fez um mutirão na madrugada desta sexta-feira para vacinar 64 integrantes da delegação da Seleção Brasileira contra caxumba. Segundo informações da prefeitura, jogadores, funcionários, dirigentes e comissão técnica receberam uma dose da vacina tríplice viral (proteção contra sarampo, caxumba e rubéola) após médicos da CBF detectarem um caso de caxumba no atacante Richarlison.

O trabalho da equipe médica teve início por volta da 1h30 da manhã, no hotel onde a Seleção Brasileira estava hospedada na capital gaúcha. Logo depois de eliminarem o Paraguai da Copa América nos pênaltis, os jogadores receberam atendimento antes de irem aos quartos para dormir. A ideia da vacina foi tomada em conjunto pela equipe médica da Seleção com a Secretaria de Saúde, para evitar novos casos da doença no grupo.

Os jogadores receberam as injeções enquanto ainda comemoravam a classificação para a semifinal do torneio. Richarlison não foi ao estádio e permanece no quarto do hotel isolado, para evitar que o contato possa transmitir a doença para outros colegas. Enquanto o elenco viaja para Belo Horizonte na noite desta sexta-feira, o atacante do Everton vai continuar em Porto Alegre, em repouso.

A equipe médica presente ao hotel inclusive recomendou os funcionários do estabelecimento para também procurar se vacinar. Como a caxumba é altamente contagiosa, os sinais da doença podem aparecer nos próximos dias em quem teve algum contato com Richarlison recentemente. A CBF tenta recuperar o jogador a tempo dele ter condições ao menos para participar de uma possível final da Copa América.

Quem também preocupa a Seleção Brasileira é o lateral-esquerdo Filipe Luís. O jogador está com uma lesão na coxa direita, deixou a partida com o Paraguai ainda no intervalo e é dúvida para a semifinal da próxima terça-feira, contra a Argentina, em Belo Horizonte.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ciro Campos, enviado especial a Porto Alegre
FONTE – TERRA