A Venezuela estar nas quartas de final da Copa da América, diante da Argentina de Leo Messi, e ter as chances de avançar apontadas pela imprensa – seja dos países envolvidos no duelo, seja do Brasil, onde é realizado a competição – já é motivo de felicidade, afirmou o treinador Rafael Dudamel na véspera do jogo.

Nesta sexta-feira, às 16h, o técnico comandará a equipe no Maracanã no que pode ser, em suas palavras, a partida mais importante da história da Vinotinto.

– Enfrentar a Argentina, bicampeã do mundo, que conta com o melhor jogador do mundo (Messi) para mim, com respeito as demais opiniões… Eu também veria como a partida mais importante de nossa história. É pelos três pontos e por tudo isso que envolve esta partida – afirmou Dudamel na véspera do jogo.

‘Quando falamos de subir posições no futebol sul-americano e mundial, a partida seguinte sempre gera maior expectativa. O jogo seguinte sempre é o mais importante e de maior dimensão’, disse Dudamel, técnico da seleção da Venezuela.

O treinador, contudo, ressaltou que a preparação feita para o encontro com a Argentina não foi feita em cima deste fato, tirando responsabilidade dos atletas. Rafael Dudamel preferiu exaltar a boa fase vivida pela Vinotinto, uma das seleções invictas na Copa América, e a oportunidade dos atletas em entrar em campo em um confronto com tanta visibilidade.

– Nós estamos aqui para aproveitar a boa fase que vivemos, fortalecidos pelo rendimento que estamos tendo. Nos sentimos preparados para fazer um grande jogo e conseguir a vitória que nos leve à semifinal. Temos que aproveitar o que a partida pode nos trazer.

Historicamente, a Venezuela não soma bons resultados diante da Argentina – são 24 encontros, com 20 vitórias da Albiceleste. Contudo, o equilíbrio tem marcado os duelos entre as duas seleções. Nos últimos seis confrontos são duas vitórias da Vinotinto, dois empates e dois triunfos da seleção argentina.

Na última vez que duelaram, em amistoso em março deste ano, a Venezuela venceu por 3 a 1, com gols de Rondón, Murillo e Josef Martínez. A Argentina, que contou com Messi pelos 90 minutos, descontou com Lautaro Martínez.

Como goleiro, Rafael Dudamel defendeu a Venezuela entre 1993 e 2005. Assim, o atual treinador tem as credenciais para identificar as mudanças que levaram á seleção ao nível competitivo que encontra-se hoje. O técnico destacou o profissionalismo com que os jogadores são tratados e a estrutura disponível na seleção, além de ressaltar que “95% do grupo atua no futebol internacional”.

Para Dudamel, a diferença técnica e competitiva entre a Vinotinto e as seleções “gigantes’ da América do Sul, como Brasil e Argentina, diminuiu drasticamente, mas há o fator histórico, o “peso da camisa” a ser levado em consideração.

– Para chegar ao nível das grandes seleções históricas nos falta muito. Mas, no caminho que nos encontramos, sentimos que cortamos muita distância pela qualidade de nossos futebolistas em um nível altamente competitivo. Mas há uma história de 50, 60 anos que não é fácil de tirar e não será possível em uma Copa América. Mas, olhando para trás, vemos que hoje estamos em um bom nível e podemos competir com todos. Isso nos traz muita felicidade – finalizou.

Confira outras respostas do treinador da Vinotinto, Rafael Dudamel:

Momento conturbado da Argentina
Nós respeitamos demais. É um rival de muita capacidade individual e com nível competitivo alto. Disse para eles aproveitarem essa oportunidade para seguirmos subindo no nível do futebol sul-americano. Imediatamente após a classificação, tivemos a responsabilidade de entrar em cada treinamento pensando na partida de amanhã.

Estratégia da Venezuela na partida
Os primeiros 15 minutos serão fundamentais para marcar território, mostrar nosso caráter e mostrar que viemos para ganhar. Mostrar que o adversário terá um grande dificuldade pela frente também. Confiamos no trabalho que está sendo feito, mas sabemos que será uma partida dura. Queremos aproveitá-la, mas teremos que estar firmes, seguros em cada momento para gerar confiança e conseguir nosso objetivo. Terão momentos de pressão, momentos mais emocionais, mas estamos preparados.