Filipe Toledo bate sul-africano e é bicampeão da etapa de Saquarema

Filipe Toledo - WSL Saquarema
Foto: WSL / Poullenot

Festa brasileira em Saquarema! Diante de uma praia da Barrinha lotada neste domingo, Filipe Toledo superou o sul-africano Jordy Smith por 18.04 a 8.43 pontos e venceu a etapa do Rio de Janeiro do Circuito Mundial de surfe. Filipinho, que havia vencido em 2018, chegou ao bicampeonato nas praias fluminenses.

Esta foi a primeira conquista de Filipe Toledo no Circuito Mundial de surfe em 2019. Antes, sua melhor colocação havia sido o segundo lugar na etapa de Bells Beach, na Austrália. Com o título, Filipinho subiu ao terceiro lugar no ranking do circuito.

Após a conquista, bastante festejada pelos presentes em Saquarema, Filipe Toledo se mostrou bastante emocionado ao falar sobre as adversidades vividas no ano anterior. Ele também falou sobre a dificuldade em vencer Jordy Smith na final.

– É sempre um jogo aberto, mesmo com 18 pontos, o Jordy poderia fazer uma (onda nota) 9 e equilibrar tudo… com trinta segundos para o fim, comecei a me acalmar: “Ok, o evento é meu agora”. Mas é difícil, a competição é muito dura, foi difícil vencer essa – disse.

Para chegar à decisão, Filipe Toledo superou o japonês Kanoa Igarashi nas quartas de final (11.00 x 7.57) e o português Frederico Morais na semifinal (16.00 x 10.30). Por outro lado, Gabriel Medina, o outro representante brasileiro nas quartas de final entre os homens, foi derrotado por Kolohe Andino em bateria apertada (13.10 x 12.00).

No feminino, a vitória ficou com a australiana Sally Fitzgibbons, que superou a havaiana Carissa Moore por 14.64 a 12.57 na final. As brasileiras Silvana Lima e Tatiana Weston-Webb foram eliminadas nas quartas de final.

O caminho de Filipe Toledo

O primeiro desafio da manhã de domingo para Filipe Toledo foi o japonês Kanoa Igarashi. Ambos os surfistas emplacaram boas ondas logo no início, mas Filipinho conseguiu um 4.57 como segunda onda, enquanto Igarashi obteve apenas 1.57 – a distância foi suficiente para garantir a classificação ao brasileiro.

Na semifinal, contra o português Frederico Morais, Filipinho deu a primeira demonstração de que estava em um ótimo dia. Com duas boas ondas (7.33 e 8.67), o brasileiro não foi ameaçado por Frederico, que conseguiu como pontuação máxima um 7.17.

Jordy Smith chegou à final para enfrentar Filipe Toledo sem fazer os dois confrontos anteriores. Isso porque John John Florence, um dos favoritos na briga pela etapa, sofreu uma lesão nas oitavas de final, disputadas no último sábado, e não pôde voltar às águas no domingo. Na semifinal, ele bateu Kolohe Andino com larga vantagem (16.06 x 10.40) para ir à decisão.

Na final, Filipe Toledo não deu sopa para o azar e mostrou as suas credenciais logo de cara. Em sua terceira tentativa, acertou belo tubo, seguido de um aéreo e uma batida. Jordy Smith também fez por onde e conseguiu uma boa nota: 6.50. Porém, Filipinho alcançou um 9.37 e abriu distância.

Na onda seguinte, mais um show do brasileiro, que conseguiu outra sequência sensacional e fez 8.67 pontos, abrindo vantagem enorme contra o sul-africano. Jordy Smith ainda voltou à água outras oito vezes após sua primeira nota, mas não conseguiu sequer ameaçar Filipe Toledo, que ficou com o título da etapa.

Se o domingo foi excelente para Filipe Toledo, o mesmo não pode ser dito para Gabriel Medina. Mais badalado entre os atletas presentes em Saquarema, ele não conseguiu superar o americano Kolohe Andino nas quartas de final.

Medina até começou bem, com duas boas ondas (6.50 e 5.50), mas o americano se encontrou na reta final da bateria e, com um 7.33, conseguiu superar o brasileiro e garantir a vaga nas semifinais.

Entre as mulheres, o dia também foi ruim para o Brasil. Primeira a entrar na água, Silvana Lima enfrentou a australiana Keely Andrew. Ambas as surfistas tiveram dificuldades em achar boas ondas e só fizeram cinco tentativas, mas com um 3.77 e um 3.47, Andrew superou a brasileira (7.24 x 6.46, na soma total).

Depois, foi a vez de Tatiana Weston-Webb representar o Brasil, contra Carissa Moore, do Havaí. Em bateria equilibradíssima, Carissa abriu vantagem e deixou a brasileira precisando de um 5.66 nos instantes finais para avançar. Tatiana foi ao mar e conseguiu uma boa onda, mas ganhou apenas 5.37, perdendo a vaga por muito pouco.

Na final, Carissa Moore deu toda a pinta de que seria a campeã em Saquarema, com duas belas ondas ainda na fase inicial da bateria, incluindo uma nota 7. Ela só não contava, porém, com a grande exibição de Sally Fitzgibbons na penúltima tentativa. A australiana emplacou um 8.67, suficiente para virar o placar e garantir o título.

Fonte: Lancenet