Grupo de 33 conselheiros cobra expulsão de Del Nero do Palmeiras

Grupo de 33 conselheiros cobra expulsão de Del Nero do Palmeiras
Getty Images

Um grupo de 33 conselheiros do Palmeiras enviou nesta quinta-feira novo pedido ao presidente do Conselho Deliberativo do clube, Seraphim del Grande, cobrando explicações sobre a situação do ex-presidente da CBF Marco Polo del Nero. A pressão pela expulsão do cartola ganhou força depois de reportagem do Estado revelar que há risco de a Fifa punir o clube com rebaixamento caso mantenha Del Nero no quadro de conselheiros. A correspondência também foi enviada ao presidente do Palmeiras, Mauricio Galiotte.

O manifesto dos conselheiros pede providências para que o Palmeiras afaste Del Nero e evite o risco de problemas com possíveis punições no futebol. Em abril do ano passado, logo depois de a Fifa anunciar o banimento do dirigente, o clube teve mobilização parecida, com a entrega do mesmo pedido para o presidente do Conselho Deliberativo. À época, 18 conselheiros assinavam o documento. Agora, o número subiu para 33, com conselheiros de várias correntes políticas da associação.

Del Grande disse que, apesar de a mobilização interna ter crescido, a postura do Palmeiras será de aguardar os recursos de Del Nero sobre a sua punição. “O clube não foi comunicado em momento algum nem pela CBF nem pela Fifa sobre esse caso. O caminho normal é a CBF receber um comunicado pela Fifa e nos avisar, mas isso até agora não aconteceu”, explicou.

Se o número de conselheiros cobrando explicações chegar a 60, Del Grande avisou que convocará reunião extraordinária do Conselho Deliberativo para colocar o assunto em votação. O Palmeiras possui 274 conselheiros. É função do órgão votar, por exemplo, orçamento e balanços financeiros do clube.

Mesmo sem frequentar os encontros do Conselho, Del Nero mantém influência no Palmeiras. Em janeiro, seu filho se elegeu conselheiro vitalício. No início do mês, Assembleia Geral de sócios escolheu 76 novos conselheiros, vários deles ligados ao grupo político do ex-presidente da CBF. No Palmeiras, ele acumulou cargos na Comissão de Sindicância, Departamento Jurídico e no Conselho de Orientação e Fiscalização (COF).

O Estado teve acesso ao requerimento elaborado pelos conselheiros que pedem a expulsão do ex-presidente da CBF. Para o grupo, mesmo que Del Nero esteja sob licença, essa condição pode ser revogada a qualquer momento e acarretar riscos ao clube. Quem não cumprir uma decisão da Fifa pode perder pontos, ser rebaixado para uma divisão nacional inferior ou ser proibido de fazer transferências de jogadores.

Por decisão do Comitê de Ética da Fifa, Del Nero foi impedido em 27 de abril do ano passado de exercer qualquer função no futebol até o fim da vida. Por sua atuação na CBF, ele foi considerado culpado das acusações de suborno e corrupção, conflito de interesse e desvio de conduta e ainda levou uma multa de 1 milhão de francos suíços (R$ 3,5 milhões na cotação atual). Del Nero diz ser inocente e recorreu da decisão.

Com a punição aplicada pela Fifa, Del Nero pediu licença do Conselho Deliberativo.

Advogados consultados pelo Estado, no entanto, acreditam que a licença temporária não é suficiente porque a Fifa determinou aplicação imediata e o banimento está em vigor. A CBF, por exemplo, acatou a decisão da Fifa no mesmo dia do anúncio da punição a Del Nero e emitiu comunicado no qual confirmou o então vice-presidente Antônio Carlos Nunes de Lima como presidente da entidade.

 

 

 

 

 

 

 

 

POR ESTADÃO CONTEÚDO