Digão desabafa sobre salários atrasados no Fluminense e Gum prefere não se pronunciar

O Fluminense conheceu o seu sexto tropeço consecutivo no Campeonato Brasileiro na noite desta quinta-feira ao ser derrotado pelo Bahia por 2 a 0, na Arena Fonte Nova. Após o fim da partida, o zagueiro Digão foi consolar o atacante Luciano, um dos jogadores mais abalados, e comentou a situação que o clube vive fora das quatro linhas. Já o zagueiro Gum, bastante irritado, preferiu não dar entrevistas. Alguns jogadores não recebem salário há cinco meses e o time não marca um único gol há sete jogos consecutivos.

“Eu seria hipócrita de falar que não atrapalha (atraso salário e protestos por parte da torcida). O momento é conturbado fora de campo e atrapalha muito. É um grupo jovem, alguns jogadores ficam abalados. Mas não vamos desanimar. Vamos continuar correndo um pelo outro para deixar o Fluminense na primeira divisão”, afirmou Digão.

O zagueiro ainda pediu o apoio da torcida para os dois jogos restantes no Brasileirão, contra o Internacional, no Beira-Rio, e o América-MG, no Maracanã.

O defensor ainda pediu união para o time se afastar da zona de rebaixamento. “Papo é para não desanimar. O resultado foi muito ruim. Precisamos um abraçar o outro para ter cabeça boa diante do Internacional. Vamos fazer o possível para levar um grande resultado para o Rio de Janeiro. No Fluminense sempre foi muito difícil, mas a torcida vai nos abraçar e vamos deixar o clube no lugar em que ele merece, a primeira divisão. Temos que terminar o ano dignamente”, projetou.

Enquanto isso, Gum preferiu deixar o campo sem falar com a imprensa e também não quis dar entrevista na zona mista: “É melhor não falar”, declarou o capitão.

A derrota deixou o Fluminense na 13ª colocação, com 42 pontos, a quatro pontos do Sport, primeiro na zona de rebaixamento.

Fonte: O Dia