Final da Copa Brasil reunirá Sesi e Sada/Cruzeiro

Block triplo do Sesi tenta parar o Ivovic, do Taubaté (Divulgação)

 

Na rodada dupla na Vila Leopoldina, na noite de ontem, os mineiros levaram a melhor no duelo dos líderes da Superliga por 3 sets a 1, parciais de 25-17, 20-25, 25-21 e 25-23. No jogo de fundo, os donos da casa venceram o clássico paulista em sets diretos, parciais de 25-22, 25-17 e 27-25.

Para os derrotados, a ausência de titulares pode ser apontada como um dos principais fatores: o Sesc não contou com o ponta João Rafael e o central Thiago Barth. Já o Taubaté perdeu o levantador Rapha ainda no primeiro set, após uma lesão nas costas, sendo substituído por Paulo Renan. Lucarelli segue fora, se recuperando de cirurgia.

– Mostramos que temos um time competitivo mesmo com alguns desfalques. Se tivéssemos trabalhado um pouco melhor as bolas difíceis poderíamos ter beliscado algo a mais no jogo. A equipe deles está de parabéns e desejo uma boa sorte aos participantes da final – disse Thiaguinho, levantador do Sesc.

– O segundo levantador normalmente não está acostumado a treinar com a equipe titular e isso faz uma diferença. A saída do Rapha prejudicou bastante a equipe deles – admitiu Lucão, central do Sesi.

Maior pontuador da primeira semifinal (20 acertos), o oposto Evandro revelou uma motivação extra do Sada/Cruzeiro na partida:

– A gente estava mordido com a derrota que sofremos para o time deles no último jogo no Rio e não aceitaríamos um resultado diferente do que a vitória. Entramos com muita vontade e acredito que o principal fator para a nossa vitória foi o saque. Nos três sets que vencemos o serviço funcionou bem e na parcial que perdemos o saque não entrou. Além disso, a nossa equipe trabalhou bem como um todo nessa partida. Estamos na final da Copa Brasil e queremos voltar para casa com esse título – disse o campeão olímpico.

A final contará com um ingrediente bem especial: a presença do levantador William pelo Sesi contra o Sada/Cruzeiro, ex-time pelo qual conquistou todos os principais títulos do planeta.

– O duelo contra o Sada/Cruzeiro na final será um jogão. É mais uma grande equipe com jogadores que podiam estar jogando em qualquer seleção do mundo. Os torcedores vão poder assistir a um bom jogo – finalizou Lucão.

A final será neste sábado, às 21h30, no Ginásio da Vila Leopoldina, em São Paulo. O SporTV transmitirá.

 

FONTE – LANCE